HOME TLAXCALA
a rede de tradutores pela diversidade lingüística
MANIFESTO DE TLAXCALA  QUEM SOMOS ?  OS AMIGOS DE TLAXCALA   PESQUISAR 

AO SUL DA FRONTEIRA (América Latina e Caribe)
IMPÉRIO (Questões globais)
TERRA DE CANAà(Palestina, Israel, Líbano)
UMMA (Mundo árabe, Islã)
NO VENTRE DA BALEIA (Ativismo nas metrópoles imperialistas)
PAZ E GUERRA (USA, UE, OTAN)
MÃE AFRICA (Continente africano, Oceano índico)

ZONA DOS TUFÕES  (Ásia, Pacífico)
KOM K DE KALVELLIDO (Diário de um cartunista proletário)
TEMPESTADE CEREBRAL  (Cultura, Comunicação)
OS INCLASSIFICADOS 
CRÔNICAS TLAXCALTECAS 
O FICHÁRIO DE TLAXCALA  (Glossários, dicionários, fichários)
BIBLIOTECA DE AUTORES 
GALERIA 
OS ARQUIVOS DE TLAXCALA  

16/12/2017
Español Français English Deutsch Português Italiano Català
عربي Svenska فارسی Ελληνικά русски TAMAZIGHT OTHER LANGUAGES
 

Para poucos. E doutos: Escarnho, de Paulo Franchetti


AUTOR:  Adelto GONÇALVES


I
 Já não vivemos ao tempo do reinado de D. João V, que se estendeu por perto de meio século (1706-1750), nem temos mais poetas do quilate de Gregório de Matos e Guerra (1636-1713?) e Tomás Pinto Brandão (1664-1743). Talvez por isso sejam poucos os vates que hoje se aventuram naquele gênero de poesia jocoso e satírico, que tanto serve para denunciar as “políticas” dos mandões como a hipocrisia daqueles que vivem de aparências, o pavoneio mundano, o exibicionismo que tanto lavra nos corredores do parlamento como nas salas das academias de letras ou nos colóquios universitários.

 É que, para tanto, o poeta precisa estar munido de um arsenal que não é fácil de acumular, que vem dos tempos dos romanos Ovídio (43 a.C-17) e Catulo (84 a.C-54.a.C) e do hispano-romano Marcial (38?-102), entre tantos poetas da Antiguidade, passando pelos citados Pinto Brandão, o autoproclamado Pinto Renascido, Matos e Guerra, Bocage (1765-1805), o padre José Agostinho de Macedo (1761-1831) e outros adeptos das más-línguas que, dados ao verso fescenino, erótico e chocarreiro, fizeram da poesia satírica um látego embebido de fel purificador.

 Por isso, este livro, com o estranho título de Escarnho, de Paulo Franchetti (Cotia: Ateliê Editorial, 2009), é uma obra para poucos – não só na tiragem limitada de 98 exemplares –, mas porque não são muitos aqueles capazes de compreender o seu universo refinado, ainda que permeado de palavrões ou referências escatológicas. Escarnho, diga-se logo do que se trata, significa zombaria, mofo, motejo, menosprezo, desacato. É o que se lê no Livro de Esopo: O corvo foi mui nojoso pelo escarnho que a raposa dele fazia.

 A origem da palavra é controversa, mas provém do italiano scherno, ou por derivação da raiz românica carn-, como em descarnar. Em textos do século XIII, lê-se com freqüência essa forma, escarnho, mas no português do século XIV em diante o mais freqüente é mesmo escárnio. N´O Livro de Salmos (cap.1), na Bíblia, por exemplo, recomenda-se ao varão que não se assente na roda dos escarnecedores, ou seja, daqueles que fazem do riso uma maneira de ridicularizar e falar mal de tudo e todos, os adeptos do bota-abaixo.

 Mas, muitas vezes, os escarnecedores não são apenas mariolas, que nada fazem a não ser falar mal da vida alheia, pois têm lá suas razões quando recorrem ao escárnio. Há gente – especialmente, os poderosos do dia e aqueles que se locupletam com o dinheiro público – que, à falta de uma Justiça mais ágil e implacável, só podem ser castigados pelo azorrague de um poeta. Pois, desde o tempo dos latinos, que sabemos que é rindo que castigamos os costumes.


Paulo Franchetti


     
II 
 É o que faz Franchetti, que trata de tirar o pelo de certos pacóvios de nossa sociedade, com uma linguagem inspirada naqueles poetas dos séculos XVII e XVIII, herança de uma época em que Castela, o país de Cervantes (1547-1616), exerceu sua pressão imperialista explícita sobre o pequenino Portugal, imaginando que faria dele o que fez da Galiza, da qual erradicou até o último laivo da memória das gentes.
 Para o bem ou para o mal, essa anexação de Lisboa e seus arredores a Castela, que durou de 1580 a 1640, se na América portuguesa ajudou os escuros paulistas de então (que formaram a nossa elite, que pouco de “branca” sempre teve) a empurrar o meridiano das Tordesilhas até quase o Pacífico, não houvesse no caminho a cordilheira dos Andes, contribuiu também para alastrar por terras lusas (que abrangia o Brasil de então) o gosto pelo barroco, que inclui, obviamente, essa vontade de ridicularizar os enfatuados e os mandões. Até porque era a única opção que restava àqueles que eram oprimidos pelas forças conservadoras, com a monarquia e a igreja à frente, quase sempre de forma violenta. O próprio Cervantes que o diga.

 O barroco, explique-se, é um fenômeno urbano, resultado do inchaço que sofreram as principais cidades peninsulares: de um lado, os ricos, os bem-nascidos; de outro, a massa dos criados, operários e funcionários subalternos, que assimilavam o que podiam dos senhores, até algumas letras, às vezes assumindo suas idiossincrasias e posturas (ainda que falsas), mas que, no íntimo, tinham de ruminar a inveja ou o ódio que sempre acumula aquele que serve a outro, menosprezado pelo senhor ou por tantos quantos o rodeiam. Como bem sabe quem já leu La literatura picaresca desde la historia social, de José Antonio Maravall (Madri: Taurus, 1987, pp.227-228).

 Esses desvalidos são aqueles que assistem ao espetáculo do mundo, muitas vezes do alto da janela de uma casa que não é sua. E a única arma de que dispõem para colocar para fora sua revolta com a condição social em que nasceram numa sociedade estratificada é o escárnio, o mofo. Por isso, não é ao idoso em si que o poeta Franchetti, tão franco quanto o nome, execra – até porque essa é uma fatalidade a que chega quem escapa da indesejada das gentes –, mas ao velho ridículo, que não sabe o seu lugar na sociedade, que insiste em comportar-se como se tivesse 20 ou 30 anos de idade. E que mais parece uma assombração, deixando à mostra aquilo que ninguém mais quer ver. É o que Franchetti procura reproduzir em “Vendo, pela minha janela, algumas pessoas em exercício, ao cair da tarde”:

    A cáfila trotando vai ornada
    Em busca da verdura apetecida,
    Cada qual em maior arremetida,
    Alguns já quase em franca disparada.

    Esta leva uma bunda mal sarada,
    Aqueloutra uma mama mal sustida,
    Este é, por certo, uma bicha enrustida,
    Aquele só tem jeito é com paulada (...).

    (...) ó Deus do céu!
    Tende piedade, não deixeis (amém!),
    Que um dia, eu, velho e tonto, vá também
    Choutando assim a carne mole ao léu!

    
III
 Aqueles que se envaidecem e se ensoberbecem com títulos acadêmicos também não se livraram do chicote moralizante de Franchetti, que não deixa de expor ao ridículo certos tipos comuns especialmente em universidades públicas e privadas, tanto aqui como lá fora, tal como se constata em “La cumparsita”:

   Ei-la que vem, balangandando su
   Corpito feo como el português
   Que vai falando assim: “aquêla bez,
   Que fice conferência em Bauru...”

   Bronca e brava, tal qual um boi zebu,
   Ergue o nariz, essa estrangeira rês,
   Estufa o peito, em gran desfaçatez,
   Jogando bem para trás o murcho cu.

   E mira para os lados, com desprezo,
   Enquanto a segue, com a pança à vista,
   Um doutorzinho sonolento e obeso.

   É assim que vão, balofo e sicofanta,
   Passando os corredores em revista:
   Ele, só graxa; e ela, só garganta!

 São muitas as figuras alvejadas pelo chuço satírico de Franchetti. Pois na área cultural abundam tipos assim, como o escritor prolixo e obtuso, que vive de fazer política rasteira em meio a corjas de bestas do mundinho das letras (p.27):

   A certo doutor Ruças, bem sandeu,
   Nada o demo lhe deu, tudo tirou:
   Não cessa de escrever o que pensou,
   Nem teme que alguém leia o que escreveu.
   
   Entre catervas de anos se meteu
   E entre corjas de bestas se aclamou,
   Foi Minas ou o Rio que o doutorou,
   Mas nada nunca o desemburreceu.

   Mesmo assim, é alquimista, mas inverso,
   Que alquimistas com lixo fazem ouro,
   E pros mistérios todos têm resposta.

   Já o Ruças nada explica, e se o tesouro
   Das musas manipula em prosa e verso,
   O que das mãos lhe sai é apenas bosta.
   
 
IV
 Não é só na Antiguidade e no Barroco que Franchetti vai buscar temas, personagens e materiais para a sua forja. Abusando, no bom sentido, da intertextualidade, evoca Camões (1524?-1580), por exemplo, nos versos de “O Fauno”: Ó tu, que tens embalde, pois não prezas,/ As qualidades que Cibele avara/ A todos nos negou, só a ti deu:/ Ninguém assim impune a ofendeu! (...).
 
 Ou nos versos fesceninos de “Elegia”, que lembram os do célebre soneto do árcade e pré-romântico Bocage, “Meu ser evaporei na lida insana”: Meu tesão não gastei na foda insana/ Evitando a putada, que chamava.../ Ah! Cego eu cria, ah! mísero eu sonhava/ Sempre dura esta vara, que é humana! (.....).

 A intertextualidade está também no soneto igualmente fescenino e chocarreiro “Nobre” em que evoca António Nobre (1867-1900), cuja obra se insere nas correntes ultra-romântica, simbolista, decadentista e saudosista da geração do final do século XIX português, em que recorda os prazeres da carne de que usufruía ao pastorear sua ovelhinha no campo: Minha santa ovelhinha, que saudade/ Eu tenho dos passeios pelo monte!/Do teu gesto e do olhar de piedade,/ No esquecido caminho sob a ponte! (...)

V
 Não à toa Franchetti usa e abusa da intertextualidade, o que pode fazer porque é vasto o seu conhecimento da tradição poética luso-brasileira. Professor titular no Departamento de Teoria Literária e do Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e presidente da editora da mesma universidade, escreveu, entre outros livros, O Sangue dos Dias Transparentes (2002) e Estudos de Literatura Brasileira e Portuguesa (2007). Seu livro de haicais, Oeste/Nhisi (2008), representa uma das mais admiráveis experiências na recente poesia brasileira. Para a coleção Clássicos Ateliê, organizou também O Primo Basílio, Dom Casmurro e Iracema, estes dois últimos em parceria com Leila Guenther.

 A esses livros junta agora este que torna pública a sua musa praguejadora, até aqui escondida. Como diz o professor Alcir Pécora, autor do prefácio e também alvo ou destinatário de alguns destes poemas, o que se lê neste livro “tudo é dobrar da língua para gargalhar do ridículo que se condena. Por isso mesmo é arte só para quem a sabe dobrar, gozo cruel e excludente, exclusivo de doutos”. 
____________________

ESCARNHO, de Paulo Franchetti. Ilustrações: Alexandre Benoit.
Cotia-SP: Ateliê Editorial, 72 págs. 2009.
Site:
www.atelie.com.br.
E-mail:
atelie@atelie.com.br.
O autor:
paulofranchetti@gmail.com



Fonte: o autor

Artigo original publicado em 16 de fevereiro de 2010

Sobre o autor

Adelto Gonçalve é um autor associado a Tlaxcala, a rede internacional de tradutores pela diversidade lingüística. Este artigo pode ser reproduzida livremente na condição de que sua integridade seja respeitada, bem como a menção ao autor e à fonte.

URL deste artigo em Tlaxcala:
http://www.tlaxcala.es/pp.asp?reference=10017&lg=po


TEMPESTADE CEREBRAL : 16/02/2010

 
 IMPRIMIR IMPRIMIR 

 ENVIAR ESTA PÁGINA ENVIAR ESTA PÁGINA

 
VOLVERVOLVER 

 tlaxcala@tlaxcala.es

HORA DE PARÍSI  23:22