HOME TLAXCALA
a rede de tradutores pela diversidade lingüística
MANIFESTO DE TLAXCALA  QUEM SOMOS ?  OS AMIGOS DE TLAXCALA   PESQUISAR 

AO SUL DA FRONTEIRA (América Latina e Caribe)
IMPÉRIO (Questões globais)
TERRA DE CANAà(Palestina, Israel, Líbano)
UMMA (Mundo árabe, Islã)
NO VENTRE DA BALEIA (Ativismo nas metrópoles imperialistas)
PAZ E GUERRA (USA, UE, OTAN)
MÃE AFRICA (Continente africano, Oceano índico)

ZONA DOS TUFÕES  (Ásia, Pacífico)
KOM K DE KALVELLIDO (Diário de um cartunista proletário)
TEMPESTADE CEREBRAL  (Cultura, Comunicação)
OS INCLASSIFICADOS 
CRÔNICAS TLAXCALTECAS 
O FICHÁRIO DE TLAXCALA  (Glossários, dicionários, fichários)
BIBLIOTECA DE AUTORES 
GALERIA 
OS ARQUIVOS DE TLAXCALA  

17/12/2017
Español Français English Deutsch Português Italiano Català
عربي Svenska فارسی Ελληνικά русски TAMAZIGHT OTHER LANGUAGES
 

Carta a Gordon Brown: Liberdade para a Papuásia Ocidental!


AUTOR:  Benny WENDA

Traduzido por  Cristina Santos


A Papuásia Ocidental é a parte ocidental da ilha da Nova Guiné (250 quilómetros a norte da Austrália). É uma das áreas mais ricas do mundo já que contém grandes reservas de petróleo, gás, cobre, ouro e madeira.
A Papuásia Ocidental foi uma colónia holandesa até 1961, altura em que teve lugar um Congresso em que o povo declarou a independência. No entanto, após alguns meses o exército indonésio invadiu a Papuásia Ocidental. Os Estados Unidos da América intervieram e, em 1962, num acordo com a Indonésia e a Holanda deram o controlo da Papuásia Ocidental às Nações Unidas, e um ano mais tarde transferiram este poder para a Indonésia. Os papuásios nunca foram consultados e em 1969, altura em que foi acordado que as Nações Unidas iriam organizar um referendo, a resistência à ocupação indonésia era geral. Foi prometido que neste referendo os papuásios ocidentais teriam duas opções: permanecer como parte da Indonésia ou ser novamente um país independente. Este referendo foi chamado “Acto de Livre Escolha” mas foi uma farsa. Declarando que os papuásios eram demasiado “primitivos” para lidar com a democracia, o exército indonésio escolheu apenas 1,026 “representantes” papuásios – de uma população de um milhão – e ameaçou matá-los, a eles e às suas famílias, se votassem contra a Indonésia. O resultado foi “unânime”: a Papuásia Ocidental permanecia na Indonésia.
Desde os primeiros dias da ocupação indonésia os papuásios e a sua pátria têm sido atacados sem piedade. Para manter o controlo, e para explorar os recursos, o exército indonésio tem assassinado, violado e torturado sistematicamente os papuásios, um autêntico genocídio. A Amnistia Internacional estima que mais de 100,000 papuásios ocidentais morreram devido à violência do exército indonésio.
Actualmente, a tragédia na Papuásia Ocidental continua, os papuásios querem ser independentes mas a comunidade internacional continua a fechar os olhos aos crimes que a Indonésia comete.
Na carta abaixo, Benny Wenda, líder do Movimento pela Independência da Papuásia Ocidental no Reino Unido, pede a Gordon Brown para ajudar os papuásios ocidentais.
(Cristina Santos, Tlaxcala)


Sua Excelência Senhor Gordon Brown,
Primeiro-ministro do Reino Unido
10 Downing Street,
London SW1A 2AA

15 de Agosto de 2007

Excelentíssimo Senhor Primeiro-ministro,

Para nós os papuásios ocidentais fazer uma promessa é algo solene e sagrado. Quando prometemos cuidar de alguém em caso de doença, ou partilhar a nossa comida com alguém que tem fome, realmente temos a intenção de o fazer. Nunca esquecemos uma promessa que fazemos e não esquecemos uma promessa que nos é feita.

Na sua cultura, o que é que significa fazer uma promessa? Faz hoje 45 anos, a Holanda com o apoio dos Estados Unidos da América, do Reino Unido e da Austrália fez uma GRANDE PROMESSA ao meu povo. Foi a maior promessa que jamais nos fizeram porque era sobre o futuro do nosso país. A vossa GRANDE PROMESSA era sobre a nossa sobrevivência como povo.

Todos os papuásios ocidentais sabem do Acordo de Nova Iorque. Está escrito no nosso coração e foi assinado com o nosso sangue. Lá longe em Nova Iorque, vocês decidiram roubar-nos a nossa terra e entregá-la ao nosso inimigo, a Indonésia. Nem sequer nos pediram a nossa opinião. Sabiam que nós queríamos ser livres, mas nem sequer permitiram que os nossos chefes falassem nas vossas reuniões em Nova Iorque. Decidiram o futuro do nosso país e deixaram-nos de fora.

Quando nos entregaram ao inimigo, fizeram-nos essa GRANDE PROMESSA, a maior promessa que jamais nos foi feita. Mesmo quando o nosso inimigo, começou a matar, a torturar, a violar e a deter vocês prometeram que o nosso povo já ferido, ensanguentado, e maltratado, ia votar para decidir o nosso futuro. Prometeram que poderíamos votar para sermos LIVRES. Prometeram que enviariam observadores das Nações Unidas para proteger as nossas eleições democráticas das armas, facas, punhos e botas do exército indonésio.

Hoje, os papuásios ocidentais pedem-vos que examinem a vossa consciência. Vocês cumpriram a vossa GRANDE PROMESSA? Quando em 1969, no “Acto da NÃO Livre Escolha”, a Indonésia capturou cerca de mil dos nossos chefes e forçou-os a votar pela integração, lembraram-se da promessa solene que tinham feito ao meu povo faz hoje 45 anos? E pensaram na vossa GRANDE PROMESSA quando ajudaram a Indonésia a mentir ao mundo dizendo que os papuásios ocidentais tinham votado livremente pela integração na Indonésia. E quando têm conhecimento de relatos sobre os assassínios, tortura, detenções e maus tratos dos papuásios ocidentais por parte da Indonésia, o que é que a vossa consciência vos diz sobre a GRANDE PROMESSA que nos fizeram?

É por isto que eu, Benny Wenda, como líder do Movimento de Independência da Papuásia Ocidental no Reino Unido, estou aqui hoje, 15 de Agosto de 2007. O meu corpo está muito longe do meu povo e da minha pátria, mas o meu espírito ainda lá está com eles, no sofrimento e na nossa luta pela liberdade. A minha mensagem é de todos os papuásios ocidentais, que estão em casa, nas nossas cidades e aldeias, nos nossos jardins e selvas, lá no Oceano Pacífico e nas montanhas; e de todos os que estão exilados em todo o mundo. Lembrem-se da GRANDE PROMESSA que nos fizeram no dia 15 de Agosto de 1962 em Nova Iorque. Deixem os papuásios ocidentais votar num REFERENDO PELA INDEPENDÊNCIA livre e justo, garantido pelas Nações Unidas, para que nós possamos escolher o nosso próprio futuro tal como nos foi dito quando nos fizeram a GRANDE PROMESSA.

A nossa mensagem é muito simples e vem do coração: PRECISAMOS DA VOSSA AJUDA. QUEREMOS SER LIVRES!

Atenciosamente,

Benny Wenda
Líder do Movimento pela Independência da Papuásia Ocidental e Presidente de DeMMaK, a Assembleia Tribal Koteka.

 

Fonte: http://www.freewestpapua.org/index.php?option=com_content&task=view&id=338&Itemid=2

Artigo original publicado a 15 de Agosto de 2007

Sobre o autor

Para obter mais informação sobre a Papuásia Ocidental visite os seguintes sítios:

Free West Papua Campaign
http://www.freewestpapua.org/

West Papua Action
http://westpapuaaction.buz.org

WestPapua.net
http://www.westpapua.net/

TAPOL – The Indonesian Human Rights Campaign
http://tapol.gn.apc.org/

Este artigo é para português de Bandeira do Portugal

Cristina Santos é membro de Tlaxcala, a rede de tradutores pela diversidade lingüística. Esta tradução pode ser reproduzida livremente na condição de que sua integridade seja respeitada, bem como a menção ao autor, aos tradutores, aos revisores e à fonte.

URL deste artigo em Tlaxcala:
http://www.tlaxcala.es/pp.asp?reference=3607&lg=po


ZONA DOS TUFÕES : 17/08/2007

 
 IMPRIMIR IMPRIMIR 

 ENVIAR ESTA PÁGINA ENVIAR ESTA PÁGINA

 
VOLVERVOLVER 

 tlaxcala@tlaxcala.es

HORA DE PARÍSI  5:16