HOME TLAXCALA
a rede de tradutores pela diversidade lingüística
MANIFESTO DE TLAXCALA  QUEM SOMOS ?  OS AMIGOS DE TLAXCALA   PESQUISAR 

AO SUL DA FRONTEIRA (América Latina e Caribe)
IMPÉRIO (Questões globais)
TERRA DE CANAà(Palestina, Israel, Líbano)
UMMA (Mundo árabe, Islã)
NO VENTRE DA BALEIA (Ativismo nas metrópoles imperialistas)
PAZ E GUERRA (USA, UE, OTAN)
MÃE AFRICA (Continente africano, Oceano índico)

ZONA DOS TUFÕES  (Ásia, Pacífico)
KOM K DE KALVELLIDO (Diário de um cartunista proletário)
TEMPESTADE CEREBRAL  (Cultura, Comunicação)
OS INCLASSIFICADOS 
CRÔNICAS TLAXCALTECAS 
O FICHÁRIO DE TLAXCALA  (Glossários, dicionários, fichários)
BIBLIOTECA DE AUTORES 
GALERIA 
OS ARQUIVOS DE TLAXCALA  

24/10/2017
Español Français English Deutsch Português Italiano Català
عربي Svenska فارسی Ελληνικά русски TAMAZIGHT OTHER LANGUAGES
 

O Novo Partido Anticapitalista sacode a esquerda francesa


AUTOR:  Josep Maria ANTENTAS & Esther VIVAS

Traduzido por  Alexandre Leite


O panorama político da esquerda francesa está a ser sacudido nestes últimos meses pelo anúncio da criação de um Novo Partido Anticapitalista (NPA) impulsionado pela Ligue Communiste Révolutionnaire (LCR) de Olivier Besancenot. O NPA foi lançado precisamente depois das eleições presidenciais de Abril de 2007, que confirmaram Besancenot como a opção mais sólida à esquerda do Partido Socialista (PS), com 4,1% de votos, longe do 1,9% do Partido Comunista (PCF), 1,5% dos Verdes, 1,3% da trotskista Lutte Ouvrière e 1, 3% do altermundialista José Bové.
O lançamento do NPA tenta traduzir em força militante organizada o apoio social e eleitoral de Besancenot. O novo partido, cujo nome é ainda provisório, define-se como anticapitalista, internacionalista, ecologista, feminista... Situa o combate contra o neoliberalismo numa perspectiva de ruptura com o capitalismo e quer ser uma organização militante e não um partido eleitoral-profissional.

A independência e a não colaboração com governos social-liberais e com o PS será uma das propostas estratégicas definidoras da nova formação. De facto, este foi o principal elemento de delimitação da candidatura de Besancenot nas últimas eleições presidenciais relativamente a outras formações de esquerda como o PCF, os Verdes ou Jose Bové, que não excluíam a colaboração, com graus variáveis conforme o caso, com os socialistas.

O lançamento do NPA, que se constituirá formalmente em finais de Janeiro de 2009, despertou uma ampla expectativa, atraindo para as suas fileiras, sindicalistas combativos, estudantes, jovens das barricadas populares, ex-militantes decepcionados de outras formações de esquerda, intelectuais, etc. Até agora, constituíram-se uns 300 comités locais ou sectoriais que agrupam umas 9.000 pessoas (a LCR tem na actualidade uns 3.000 afiliados).

Besancenot converteu-se numa das figuras mais populares da esquerda francesa e na principal face visível da oposição a Sarkozy, num contexto onde o PS não representa uma alternativa real à política do governo. Uma sondagem do passado mês feita pela CSA indicava que 49% dos inquiridos consideravam Besancenot como o principal rival de Sarkozy. A popularidade de Besancenot não é um elemento pontual e, segundo um estudo da Fundação Jean-Jaurès, consolidou-se em três processos: a campanha pelo NON na Constituição Europeia em 2005, a mobilização contra o Contrato de Primeiro Emprego (CPE) em 2006 e as presidenciais de 2007.

Perante a irrupção do NPA, o conjunto da esquerda francesa começou a mexer-se. Os socialistas, que se encontram em plena luta pela liderança do partido, colocaram recentemente em marcha um grupo de trabalho para estudar as consequências da emergência "de um pólo de radicalidade". O Partido Comunista, afogado numa larga crise histórica, decidiu apostar de novo numa linha de colaboração com os socialistas em nome da unidade contra a direita, excluindo acordos com o NPA. Os Verdes, também em crise, tentam recompor um novo bloco ecologista, envolto numa perspectiva estratégica de colaboração com o PS, através da aliança entre Daniel Cohn-Bendit, representante da sua ala mais direitista e antigo partidário da Constituição Europeia, o popular jornalista Nicolas Hulot e José Bové. De momento, no entanto, é a irrupção do NPA o que marca a pauta nas fileiras da esquerda francesa. Não parece em absoluto uma má notícia.


Fonte: El Nuevo Partido Anticapitalista sacude a la izquierda


Artigo original publicado a 25/10/2008 

Este artigo é para português de

Sobre o autor

Alexandre Leite é editor de  http://investigandoonovoimperialismo.blogs.sapo.pt  e membro de Tlaxcala, a rede de tradutores pela diversidade lingüística. Esta tradução pode ser reproduzida livremente na condição de que sua integridade seja respeitada, bem como a menção ao autor, aos tradutores, aos revisores e à fonte.

URL deste artigo em Tlaxcala:
http://www.tlaxcala.es/pp.asp?reference=6233&lg=po


NO VENTRE DA BALEIA: 03/11/2008

 
 IMPRIMIR IMPRIMIR 

 ENVIAR ESTA PÁGINA ENVIAR ESTA PÁGINA

 
VOLVERVOLVER 

 tlaxcala@tlaxcala.es

HORA DE PARÍSI  0:33