HOME TLAXCALA
a rede de tradutores pela diversidade lingüística
MANIFESTO DE TLAXCALA  QUEM SOMOS ?  OS AMIGOS DE TLAXCALA   PESQUISAR 

AO SUL DA FRONTEIRA (América Latina e Caribe)
IMPÉRIO (Questões globais)
TERRA DE CANAà(Palestina, Israel, Líbano)
UMMA (Mundo árabe, Islã)
NO VENTRE DA BALEIA (Ativismo nas metrópoles imperialistas)
PAZ E GUERRA (USA, UE, OTAN)
MÃE AFRICA (Continente africano, Oceano índico)

ZONA DOS TUFÕES  (Ásia, Pacífico)
KOM K DE KALVELLIDO (Diário de um cartunista proletário)
TEMPESTADE CEREBRAL  (Cultura, Comunicação)
OS INCLASSIFICADOS 
CRÔNICAS TLAXCALTECAS 
O FICHÁRIO DE TLAXCALA  (Glossários, dicionários, fichários)
BIBLIOTECA DE AUTORES 
GALERIA 
OS ARQUIVOS DE TLAXCALA  

24/10/2017
Español Français English Deutsch Português Italiano Català
عربي Svenska فارسی Ελληνικά русски TAMAZIGHT OTHER LANGUAGES
 

O desafio da América Latina


AUTOR:  Noam CHOMSKY

Traduzido por  Fernando Esteves, revisado por Omar L. de Barros Filho


Há mais de um milênio, antes das invasões européias, uma civilização floresceu em uma área que, hoje, conhecemos como Bolívia.

Os arqueólogos estão descobrindo que a Bolívia tinha uma sociedade muito sofisticada e complexa ou, para usar o jargão, “um dos meios ambientes artificiais mais amplos, estranhos e ecologicamente mais ricos do planeta... suas populações e cidades eram grandes e organizadas”, e isso criou a visão de que era uma das maiores obras de arte da humanidade.

Agora a Bolívia, e boa parte de sua região, da Venezuela até a Argentina, ressurgiu. A conquista e seu eco de domínio imperial nos Estados Unidos estão dando lugar à independência e à interdependência, que marcam uma nova dinâmica nas relações entre o norte e o sul. E tudo isso tem como pano de fundo a crise econômica nos Estados Unidos e no mundo.

Durante a década passada, a América Latina converteu-se na região mais progressista do mundo. As iniciativas ao longo do subcontinente têm tido impactos consideráveis nos países e na paulatina emergência de instituições regionais.

Entre essas ações figuram o Banco do Sul, respaldado, em 2007, pelo economista e prêmio Nobel Joseph Stiglitz, em Caracas, Venezuela; e a Alba, Alternativa Boliviana para a América Latina e Caribe, que poderia ser um verdadeiro amanhecer se sua promessa inicial se mantiver.

A Alba pode ser descrita como uma alternativa ao Tratado de Livre Comércio das Américas, patrocinado pelos EUA, mas os termos são enganosos. A Alba deve ser entendida como um desenvolvimento independente, não como uma alternativa. Além disso, os chamados acordos de livre comércio têm uma relação muito tênue com o comércio livre, ou com o comércio num sentido mais sério da palavra.

Certamente não são acordos, a menos que a população dos países envolvidos esteja de acordo. Seria mais acertado dizer “acordos para defender os direitos dos investidores”, estabelecidos por corporações multinacionais e bancos e estados poderosos para satisfazer seus interesses, acordos firmados, na maioria das vezes, em segredo, sem a participação do público ou sem que se tenha consciência do que esteja ocorrendo.

Outra promissora organização regional é a Unasul, União das Nações da América do Sul. Inspirada, em parte, pela União Europeia, a Unasul propõe-se a estabelecer um Parlamento sul-americano em Cochabamba, Bolívia. Trata-se de um local adequado. Em 2000, o povo de Cochabamba iniciou uma corajosa e vitoriosa luta contra a privatização da água. Isso despertou a solidariedade internacional, pois mostrou o que se pode conseguir através de um ativismo engajado.

A dinâmica do Cone Sul deve-se em parte à Venezuela, com a eleição de Hugo Chávez, um presidente de esquerda, cuja intenção é usar os recursos da Venezuela em benefício do povo venezuelano, ao invés de entregá-los nas mãos dos ricos e privilegiados do próprio país ou do exterior. Chávez também pretende promover a integração regional, o que se constitui em um pré-requisito urgente para a independência, para a democracia, e para um desenvolvimento positivo.

Chávez não está sozinho nesses objetivos. A Bolívia, país mais pobre do continente, é talvez o exemplo mais dramático. A Bolívia traçou um importante caminho para a verdadeira democratização do hemisfério. Em 2005, a maioria indígena, população que tem sofrido as mais severas repressões no hemisfério, ingressou na arena política e elegeu um dos seus, Evo Morales, para impulsionar programas originados nas organizações populares.

A eleição foi apenas uma etapa nas lutas em curso. Os tópicos eram bem conhecidos e urgentes: controle dos recursos, direitos culturais e justiça numa complexa sociedade multiétnica, e o abismo sócio-econômico entre a grande maioria e a elite abastada e os governantes tradicionais.

Em consequência, a Bolívia tornou-se também cenário do mais perigoso conflito entre a democracia popular e as elites privilegiadas europeizadas, que se ressentem da perda de seus privilégios políticos e se opõem à democracia e à justiça social, às vezes de maneira violenta. É comum contarem com o firme apoio dos Estados Unidos.

Em setembro passado, durante uma reunião de emergência da Unasul em Santiago, Chile, líderes sul-americanos declararam “seu firme apoio ao governo constitucional do presidente Evo Morales, cujo mandato foi ratificado por uma grande maioria”, referindo-se a sua vitória em recente referendo.

Morales agradeceu à Unasul, salientando que, “pela primeira vez na história da América do Sul, os países da nossa região estão decidindo como resolver seus problemas sem a presença dos Estados Unidos.”

Há muito tempo os Estados dominavam a economia boliviana, sobretudo através do controle de suas exportações de estanho.

Segundo Stephen Zunes, especialista em assuntos internacionais, no começo da década de 50, “em um momento crítico dos esforços da nação para se tornar auto-suficiente, o governo dos Estados Unidos obrigou a Bolívia a utilizar seu parco capital não para o desenvolvimento do país, mas para compensar antigos donos de minas e pagar mais uma vez a dívida externa do país.

A política econômica que foi imposta à Bolívia naquela época é precursora dos programas de ajuste estrutural implementados no continente 30 anos mais tarde, sob os termos do neoliberal “Consenso de Washington” que, em geral, teve efeitos desastrosos.


Cúpula dos chefes de Estado da América Latina e do Caribe (CALC) em Salvador, Bahia, dezembro de 2009

Agora, as vítimas do fundamentalismo do mercado neoliberal estão também nos países ricos, onde a maldição da liberalização financeira causou a pior crise financeira desde a grande depressão.

As modalidades tradicionais do controle imperial - violência e guerra econômica - perderam espaço. A América Latina tem opções reais. Washington entende muito bem que essas opções ameaçam não apenas sua influência no Hemisfério Sul, mas também sua influência em todo mundo. O controle da América Latina tem sido o objetivo da política externa dos Estados Unidos desde os primeiros dias da república.

Se os Estados Unidos não podem controlar a América Latina, “não podem implantar com sucesso sua ordem em outras partes do mundo”, concluiu, em 1971, o Conselho Nacional de Segurança, na época de Richard Nixon. Também era considerado de extrema importância destruir a democracia chilena, coisa que, aliás, foi feita.

Washington apenas respaldou a democracia quando ela estava de acordo com seus interesses econômicos e estratégicos. Essa política continua a mesma até hoje.

Essa disposição antidemocrática são a forma racional da teoria do dominó, em certas ocasiões qualificada, de maneira precisa, “como a ameaça do bom exemplo”. Por esse motivo, o menor desvio da mais estrita obediência é considerado uma ameaça à existência, que é reprimida da forma mais dura. Isso ocorre com as organizações camponesas das comunidades remotas do Laos e até com a formação de cooperativas de pescadores em Granada.

Em uma América Latina cheia de autoconfiança, a integração tem, pelo menos, três dimensões. Uma é regional, um pré-requisito crucial para a independência, que dificulta ao senhor do Hemisfério Norte colher países, um após o outro. Outra é global: ao estabelecer relações entre sul e sul e diversificar o mercado e investimentos. A China transformou-se em um sócio cada vez mais importante nos assuntos do hemisfério. E a ultima é interna, talvez a dimensão mais vital de todas.

A América Latina é famosa pela extrema concentração de riqueza e poder, e pela falta de responsabilidade das elites privilegiadas em relação ao bem-estar de seus países.

A América Latina tem grandes problemas, porém existem desenvolvimentos promissores que poderiam anunciar uma época de verdadeira globalização. Trata-se de uma integração internacional em favor dos interesses do povo, não de investidores e de outras instâncias do poder.

Nota: (Os ensaios de Noam Chomsky sobre linguística e política acabam de ser recompilados em The Essential Chomsky, editados por Anthony Arnove e publicados por The New Press. Chomsky é professor emérito de linguística e filosofia no Instituto de Tecnologia de Massachusetts de Cambridge).


Fonte: El desafío de América Latina

Artigo original publicado em 14 de março de 2009

Tradução redigida em português do

Sobre o autor

Fernando Esteves e Omar L. de Barros Filho são  membros de Tlaxcala, a rede de tradutores pela diversidade lingüística. Esta tradução pode ser reproduzida livremente na condição de que sua integridade seja respeitada, bem como a menção ao autor, aos tradutores, aos revisores e à fonte.

URL deste artigo em Tlaxcala:
http://www.tlaxcala.es/pp.asp?reference=7384&lg=po


AO SUL DA FRONTEIRA: 08/04/2009

 
 IMPRIMIR IMPRIMIR 

 ENVIAR ESTA PÁGINA ENVIAR ESTA PÁGINA

 
VOLVERVOLVER 

 tlaxcala@tlaxcala.es

HORA DE PARÍSI  0:29