HOME TLAXCALA
a rede de tradutores pela diversidade lingüística
MANIFESTO DE TLAXCALA  QUEM SOMOS ?  OS AMIGOS DE TLAXCALA   PESQUISAR 

AO SUL DA FRONTEIRA (América Latina e Caribe)
IMPÉRIO (Questões globais)
TERRA DE CANAà(Palestina, Israel, Líbano)
UMMA (Mundo árabe, Islã)
NO VENTRE DA BALEIA (Ativismo nas metrópoles imperialistas)
PAZ E GUERRA (USA, UE, OTAN)
MÃE AFRICA (Continente africano, Oceano índico)

ZONA DOS TUFÕES  (Ásia, Pacífico)
KOM K DE KALVELLIDO (Diário de um cartunista proletário)
TEMPESTADE CEREBRAL  (Cultura, Comunicação)
OS INCLASSIFICADOS 
CRÔNICAS TLAXCALTECAS 
O FICHÁRIO DE TLAXCALA  (Glossários, dicionários, fichários)
BIBLIOTECA DE AUTORES 
GALERIA 
OS ARQUIVOS DE TLAXCALA  

24/10/2017
Español Français English Deutsch Português Italiano Català
عربي Svenska فارسی Ελληνικά русски TAMAZIGHT OTHER LANGUAGES
 

Em fa­vor do No­bel pa­ra Lê­do Ivo


AUTOR:  Adelto GONÇALVES


Tra­du­tor de Rim­baud e Dos­toi­évski, Lê­do Ivo é au­tor, en­tre tan­tas obras, de “Fi­nis­ter­ra”, tal­vez o mais im­por­tan­te li­vro de po­e­sia que um bra­si­lei­ro es­cre­veu no sé­cu­lo XX

Fos­se Lê­do Ivo po­e­ta da lín­gua in­gle­sa ou fran­ce­sa ou mes­mo cas­te­lha­na já te­ria si­do ga­lar­do­a­do ou ao me­nos in­di­ca­do pa­ra o Prê­mio No­bel de Li­te­ra­tu­ra. Co­mo, po­rém, faz po­e­sia num pa­ís pe­ri­fé­ri­co e de pou­ca re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de eco­nô­mi­ca e cul­tu­ral, e va­le-se de um idi­o­ma que, em­bo­ra fa­la­do por mais de 200 mi­lhões, ain­da é vis­to pe­lo res­to do mun­do co­mo um có­di­go se­cre­to, es­sa é uma hi­pó­te­se pou­co vi­á­vel, até mes­mo por­que as pró­pri­as ins­ti­tu­i­ções aca­dê­mi­cas do Pa­ís, que de­ve­ri­am pro­por o seu no­me, não se ani­mam a fa­zê-lo.

E não de­ve­ria ser as­sim — pois, afi­nal, se paí­ses igual­men­te pe­ri­fé­ri­cos e até me­nos re­pre­sen­ta­ti­vos do pon­to de vis­ta eco­nô­mi­co, co­mo Chi­le e Mé­xi­co, já ti­ve­ram po­e­tas re­co­nhe­ci­dos com o No­bel, o Bra­sil não de­ve­ria ser tão me­nos­pre­za­do pe­los eru­di­tos da Aca­de­mia Su­e­ca. A di­fe­ren­ça é que Ga­bri­e­la Mis­tral (1889-1957), No­bel de 1945, e Oc­ta­vio Paz (1914-1998), No­bel de 1990, fi­ze­ram po­e­sia na lín­gua de Cer­van­tes (1547-1616). Por es­se mes­mo ra­ci­o­cí­nio, é de ima­gi­nar que se o ga­le­go Ca­mi­lo Jo­sé Ce­la (1916-2002), No­bel de 1989, não ti­ves­se des­pre­za­do tan­to a cul­tu­ra de sua ter­ra-mãe, a Ga­li­za, e não ti­ves­se es­cri­to su­as obras em cas­te­lha­no, pro­va­vel­men­te, nun­ca te­ria si­do lem­bra­do pe­la Aca­de­mia Su­e­ca.

Por­tan­to, con­clu­i­ria o de­sa­vi­sa­do lei­tor, o pre­te­ri­men­to só se ex­pli­ca pe­la pou­ca re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de des­ta lín­gua que Ola­vo Bi­lac (1865-1918) cha­mou de “úl­ti­ma flor do Lá­cio, in­cul­ta e be­la”. Mas não é as­sim por­que a ideia per­deu for­ça em 1998, quan­do o pri­mei­ro Prê­mio No­bel de Li­te­ra­tu­ra saiu pa­ra a lín­gua por­tu­gue­sa, na pes­soa do ro­man­cis­ta Jo­sé Sa­ra­ma­go. Se Por­tu­gal, pra­ti­ca­men­te, or­ga­ni­zou uma for­ça-ta­re­fa pa­ra ga­ran­tir a pre­mia­ção a Sa­ra­ma­go — e o fez mui­to bem — e, com jus­ta ra­zão, ain­da lu­ta pa­ra que An­tó­nio Lo­bo An­tu­nes tam­bém se­ja re­co­nhe­ci­do, não há mo­ti­vo pa­ra que o Bra­sil não apre­sen­te um bom can­di­da­to, ain­da que, em ou­tros tem­pos, quan­do Car­los Drum­mond de An­dra­de (1902-1987) e Jor­ge Ama­do (1912-2001) eram vi­vos, hou­ves­se mai­o­res pos­si­bi­li­da­des de êxi­to.

Até por­que, se uma lín­gua é re­pre­sen­ta­ti­va na me­di­da em que aque­les que a fa­lam des­fru­tam de ri­que­za ma­te­ri­al, o Bra­sil já co­me­ça a se apro­xi­mar des­se pa­ta­mar, pois, se­gun­do pre­vi­sões das au­to­ri­da­des fi­nan­cei­ras mun­di­ais, em 2016, o Pa­ís de­ve­rá pas­sar a quin­ta mai­or eco­no­mia do pla­ne­ta. E, por es­se pon­to de vis­ta ma­te­ri­a­lis­ta, a lín­gua de Ca­mões (c.1524-1580) já co­me­ça a ga­nhar tam­bém re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de.


Lê­do Ivo, Maceió, Alagoas,1924

Ho­je, a can­di­da­tu­ra bra­si­lei­ra re­su­me-se a dois ou três no­mes. E um de­les, com cer­te­za, é o do po­e­ta Lê­do Ivo, que, em qua­se se­te dé­ca­das de tra­ba­lho pro­du­ti­vo, ofe­re­ce uma obra de res­pei­to, co­mo po­de­rá com­pro­var quem vi­er a ler sua ex­ten­sa “Obra Com­ple­ta” (1940-2004), de 1099 pá­gi­nas, pu­bli­ca­da em 2004 pe­la edi­to­ra Top­bo­oks, do Rio de Ja­nei­ro, com es­tu­do in­tro­du­tó­rio do po­e­ta Ivan Jun­quei­ra. É de no­tar que, se Jun­quei­ra foi o úl­ti­mo gran­de po­e­ta-en­sa­ís­ta, da­que­les da es­tir­pe de T.S.Eli­ot (1888-1965), a se ocu­par da aná­li­se da obra de Lê­do Ivo, ou­tros en­sa­ís­tas de en­ver­ga­du­ra já o ha­vi­am fei­to, co­mo An­to­nio Can­di­do, Ál­va­ro Lins (1912-1970), Jor­ge de Li­ma (1893-1953), Mu­ri­lo Men­des (1901-1975), Wil­son Mar­tins, Faus­to Cu­nha (1923-2004), Gil­ber­to Men­don­ça Te­les e, mais re­cen­te­men­te, As­sis Bra­sil, au­tor de “A Tra­je­tó­ria Po­é­ti­ca de Lê­do Ivo: Trans­gres­são e Mo­der­ni­da­de”, pu­bli­ca­do pe­la Edi­to­ra Uni­ver­si­tá­ria Can­di­do Men­des (Edu­cam), do Rio de Ja­nei­ro, em 2007, que cons­ti­tui, ao mes­mo tem­po, um en­saio crí­ti­co e uma bi­o­gra­fia.

Diz Jun­quei­ra que Lê­do Ivo che­gou in­tei­ro aos 80 anos de ida­de e in­tei­ra tam­bém che­gou a sua po­e­sia. “E há em sua po­e­sia o tes­te­mu­nho li­te­rá­rio de mais de meio sé­cu­lo de ex­pe­ri­ên­cia e de cons­tan­te re­no­va­ção es­té­ti­ca e es­ti­lís­ti­ca”, cons­ta­ta, lem­bran­do que “sua po­e­sia, em­bo­ra se­ve­ra do pon­to de vis­ta do uso da lín­gua, é po­li­fô­ni­ca e tem al­go da com­po­si­ção he­te­ró­cli­ta da­que­les re­tá­bu­los me­di­e­vais, abran­gen­do o cul­ti­vo de to­dos os me­tros e de to­das as for­mas”.

É Lê­do Ivo au­tor, en­tre tan­tas obras, de “Fi­nis­ter­ra” (1972), tal­vez o mais im­por­tan­te li­vro de po­e­sia que um bra­si­lei­ro es­cre­veu no sé­cu­lo XX, co­mo afi­an­ça Jun­quei­ra, des­ta­can­do que es­sa re­u­ni­ão de po­e­mas mar­ca o re­gres­so de­fi­ni­ti­vo do po­e­ta as su­as ori­gens, o seu re­tor­no à in­fân­cia mi­ti­fi­ca­da na ci­da­de de Ma­ceió, ca­pi­tal do Es­ta­do de Ala­go­as, co­mo se po­de cons­ta­tar nes­tes ver­sos:

Mi­nha pá­tria é a água ne­gra
— a do­ce água cheia de mi­as­mas —
dos es­ta­lei­ros apo­dre­ci­dos.
(...) Vin­do das ilhas ina­ca­ba­das,
nun­ca apren­do a se­pa­rar
o que é da ter­ra e o que é da água.


Já As­sis Bra­sil pre­fe­re des­ta­car a tra­je­tó­ria de Lê­do Ivo co­mo fran­co-ati­ra­dor na po­e­sia bra­si­lei­ra, mos­tran­do co­mo seu fa­zer po­é­ti­co nun­ca es­te­ve atre­la­do ao Mo­der­nis­mo da Se­ma­na de Ar­te Mo­der­na de 1922, em São Pau­lo, ao con­trá­rio do que mui­tos crí­ti­cos e pro­fes­so­res, prin­ci­pal­men­te aque­les li­ga­dos à Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP), pro­cu­ra­ram de­fen­der, em sua ân­sia de sis­te­ma­ti­zar ten­dên­cias e in­flu­ên­cias. As­sis Bra­sil lem­bra que Lê­do Ivo, em­bo­ra ala­go­a­no de nas­ci­men­to, es­tu­dou no Co­lé­gio Car­nei­ro Le­ão, no Re­ci­fe, ci­da­de em que co­me­çou o seu apren­di­za­do po­é­ti­co não só com Jo­ão Ca­bral de Me­lo Ne­to (1920-1999), mas com Willy Lewin (1908-1971) que, de uma ge­ra­ção an­te­ri­or e do­no de uma vas­ta bi­bli­o­te­ca, fun­cio­na­va co­mo uma es­pé­cie de co­ri­feu pa­ra os mais jo­vens que o pro­cu­ra­vam.

Mu­dan­do-se pa­ra o Rio de Ja­nei­ro em 1943, Lê­do Ivo, ao se va­ler das re­la­ções pes­so­ais que já cons­tru­í­ra no mun­do li­te­rá­rio do Re­ci­fe, foi bem re­ce­bi­do por Ma­nu­el Ban­dei­ra (1886-1968), Jor­ge de Li­ma, Gra­ci­li­a­no Ra­mos (1892-1953), Jo­sé Lins do Re­go (1901-1957) e Au­gus­to Fre­de­ri­co Schmidt (1906-1965), en­tre ou­tros, o que lhe fa­ci­li­tou a ta­re­fa de di­vul­gar seu tra­ba­lho e, prin­ci­pal­men­te, en­con­trar edi­to­ras que se dis­pu­ses­sem a apos­tar num jo­vem po­e­ta. É de 1945 “Ode e Ele­gia”, li­vro que mar­ca de­fi­ni­ti­va­men­te o rom­pi­men­to de qual­quer li­ga­ção que po­de­ria ter ti­do a sua pro­du­ção ini­ci­al com o Mo­der­nis­mo in­con­se­quen­te de 1922.

À fal­ta de me­lho­res ró­tu­los, a crí­ti­ca li­te­rá­ria pas­sou a in­se­rir Lê­do Ivo co­mo o po­e­ta mais re­pre­sen­ta­ti­vo da Ge­ra­ção de 45, mo­vi­men­to de re­a­ção es­té­ti­ca con­tra o cli­ma de­mo­li­dor e anar­quis­ta da pri­mei­ra fa­se do Mo­der­nis­mo, rei­vin­di­can­do uma vol­ta à dis­ci­pli­na e à or­dem. Mas tam­bém aqui a in­clu­são do po­e­ta foi um tan­to for­ça­da e a sua re­ve­lia, fun­cio­nan­do mais co­mo uma for­ma cro­no­ló­gi­ca de de­fi­nir de­ter­mi­na­dos po­e­tas que apa­re­ce­ram na dé­ca­da de 1940, sem mai­or ri­gor nas pre­fe­rên­cias es­té­ti­cas de ca­da um.

De­pois de ex­pe­ri­men­tar o ver­so li­vre, Lê­do Ivo vol­tou a al­gu­mas for­mas po­é­ti­cas fi­xas, co­mo o so­ne­to, mas con­ser­van­do uma pos­tu­ra ex­tre­ma­men­te li­vre e pes­so­al, cu­nhan­do as­sim uma po­e­sia com ca­rac­te­rís­ti­cas pró­pri­as em que se des­ta­ca­va o ple­no do­mí­nio das su­as téc­ni­cas e da lin­gua­gem, o que só era pos­sí­vel por­que, além de po­e­ta, des­de o iní­cio, sem­pre fo­ra um es­tu­di­o­so do gê­ne­ro e não um me­ro di­le­tan­te. E mais: um en­sa­ís­ta de mão cheia, com 13 li­vros pu­bli­ca­dos, en­tre os qua­is se des­ta­ca “O Uni­ver­so Po­é­ti­co de Ra­ul Pom­péia” (Rio de Ja­nei­ro, Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Le­tras, 2ª ed., 1996).

Mui­tos fo­ram os li­vros de Lê­do Ivo e re­la­ci­o­ná-los aqui se­ria exaus­ti­vo, até por­que tam­bém pu­bli­cou li­vros de con­tos, crô­ni­cas, du­as au­to­bi­o­gra­fi­as e três de li­te­ra­tu­ra in­fan­to-ju­ve­nil. Mas é de des­ta­car que foi na dé­ca­da de 1980, em ple­na ma­tu­ri­da­de, que sua po­e­sia se cris­ta­li­zou, a par­tir de “Mar Oce­a­no” (1987), a que se se­gui­ram “Cre­pús­cu­lo Ci­vil” (1990), “Cur­ral de Pei­xe” (1995), “O Ru­mor da Noi­te” (2000) e os tex­tos até en­tão iné­di­tos re­u­ni­dos em “Ple­ni­lú­nio” (2000). Co­mo bem ob­ser­vou Ivan Jun­quei­ra, ao con­trá­rio de mui­tos po­e­tas cu­ja pro­du­ção se ames­qui­nha na ve­lhi­ce, a de Lê­do Ivo cres­ce ain­da mais, al­can­çan­do a tran­scen­dên­cia ina­ta da obra de ar­te em po­e­mas em pro­sa ou em ex­cer­tos de pro­sa po­é­ti­ca es­pa­lha­dos por “Mar Oce­a­no”.

Em gran­de par­te des­ses po­e­mas, per­ce­be-se o uso me­di­do não só do oxí­mo­ro, um dos re­cur­sos es­ti­lís­ti­cos pre­fe­ri­dos de Fer­nan­do Pes­soa (1888-1935), e ou­tras fi­gu­ras de lin­gua­gem, co­mo de cer­ta nos­tal­gia de “uma luz per­di­da” que re­me­te pa­ra Ca­mi­lo Pes­sa­nha (1867-1926), o que faz de Lê­do Ivo não exa­ta­men­te um po­e­ta de idei­as, mas de ima­gens, um po­e­ta abs­tra­to, ce­re­bral, es­sen­cial­men­te in­te­lec­tu­al, em sua ob­ses­são pe­la mu­si­ca­li­da­de do ver­so, co­mo se po­de cons­ta­tar nas pa­la­vras que se­guem:

Sem­pre an­dei me bus­can­do e não me achei.
E ao pôr-do-sol, en­quan­to es­pe­ro a vin­da
Da luz per­di­da de uma es­tre­la mor­ta,

sin­to sa­u­da­de do que nun­ca fui,
do que dei­xei de ser, do que so­nhei
e se es­con­deu de mim atrás da por­ta.

É de no­tar ain­da que a po­e­sia de Lê­do Ivo atra­ves­sou in­có­lu­me a dé­ca­da de 60 sem se dei­xar le­var pe­la can­ti­le­na dos con­cre­tis­tas de São Pau­lo, me­ros ado­ra­do­res de Ez­ra Pound (1885-1972) e Ja­mes Joyce (1882-1941), cu­jos ver­sos ho­je são pra­ti­ca­men­te inin­te­li­gí­veis. Em­bo­ra es­tu­di­o­so de Her­man Mel­vil­le (1819-1891), Na­tha­ni­el Hawthor­ne (1804-1864) e Wil­li­am Car­los Wil­li­ams (1883-1973), co­mo as­si­na­lou As­sis Bra­sil, Lê­do Ivo man­te­ve-se fi­el aos gran­des po­e­tas da lín­gua por­tu­gue­sa. É o que se vê na in­ter­tex­tu­a­li­da­de que pra­ti­ca nes­te po­e­ma com fa­mo­sos ver­sos de Fer­nan­do Pes­soa:

Mi­nha pá­tria não é a lín­gua por­tu­gue­sa.
Ne­nhu­ma lín­gua é a pá­tria.
Mi­nha pá­tria é a ter­ra mo­le e pe­ga­nhen­ta on­de nas­ci
e o ven­to que so­pra em Ma­ceió.
São os ca­ran­gue­jos que cor­rem na la­ma dos man­gues
e o oce­a­no cu­jas on­das con­ti­nuam mo­lhan­do os meus pés quan­do so­nho. (...)

Pa­ra quem pen­sa em Lê­do Ivo só co­mo po­e­ta, di­ga-se que ele é tam­bém gran­de ro­man­cis­ta, au­tor de cin­co obras no gê­ne­ro. Seu ro­man­ce “Ni­nho de Co­bras” (1973) foi tra­du­zi­do pa­ra o in­glês, sob o tí­tu­lo “Snake´s Nest”, e em di­na­mar­quês, sob o tí­tu­lo “Slan­ge­bo­et”. É um ro­man­ce de fei­tu­ra ino­va­do­ra, re­ple­to das fi­gu­ras de lin­gua­gem que cos­tu­ma uti­li­zar em seu fa­zer po­é­ti­co, que re­cu­pe­ra a Ma­ceió da dé­ca­da de 1930, à épo­ca do go­ver­no de Ge­tú­lio Var­gas (1882-1954) que re­dun­da­ria na di­ta­du­ra do Es­ta­do No­vo (1937-1945).

Tra­ta-se de uma bem ela­bo­ra­da crí­ti­ca dos re­gi­mes de for­ça que ma­ni­e­ta­ram o Bra­sil du­ran­te boa par­te do sé­cu­lo XX, uma de­nún­cia do com­por­ta­men­to he­si­tan­te e apá­ti­co da mai­o­ria da po­pu­la­ção que sem­pre as­sis­tiu, in­di­fe­ren­te, ao as­sas­si­na­to da­que­les que ou­sa­vam ir con­tra os po­de­ro­sos do dia. E que, li­do ho­je pe­las no­vas ge­ra­ções, po­de cons­ti­tu­ir um bom aler­ta pa­ra quem ain­da dá ou­vi­do a al­guns nos­tál­gi­cos dos re­gi­mes de for­ça, que sem­pre co­me­çam pe­lo pre­tex­to do com­ba­te à cor­rup­ção po­lí­ti­ca e aca­bam num mar de san­gue.

Mas não foi só o ro­man­ce de Lê­do Ivo que en­con­trou boa re­cep­ti­vi­da­de em ou­tros idio­mas. Sua po­e­sia es­tá es­pa­lha­da tam­bém pe­lo mun­do his­pâ­ni­co. No Mé­xi­co, saí­ram vá­ri­as co­le­tâ­ne­as de seus po­e­mas, en­tre as qua­is “La Ima­gi­na­ria Ven­ta­na Abi­er­ta”, “Oda al Cre­pús­cu­lo”, “Las Pis­tas” e “Lãs Is­lãs Ina­ca­ba­das”. Em Li­ma, Pe­ru, foi edi­ta­da uma an­to­lo­gia, “Po­e­mas”, e na Es­pa­nha saiu a an­to­lo­gia “La Mo­ne­da Per­di­da”. An­to­lo­gi­as de seus po­e­mas já fo­ram tra­du­zi­das pa­ra o in­glês por Kerry Shawn Keys (“Landsend: Se­lec­ted Po­ems”, Pennsylva­nia, Pi­ne Press, 1998), pa­ra o ho­lan­dês por Au­gust Wil­lem­sen (“Po­etry”, Ro­ter­dã, Po­etry In­ter­na­ti­o­nal, 1993; “Vle­er­mui­zen em Blawe Krab­ben”, Sli­e­drecht, Wag­ner & Van San­ten, 2000) e pa­ra o ita­li­a­no por Ve­ra Lu­cia de Oli­vei­ra (“Il­lu­mi­na­zi­o­ni”, Sa­ler­no, Mul­ti­mi­dia Edi­zio­ni, 2001).

Em Por­tu­gal, crí­ti­cos do qui­la­te de Jo­ão Gas­par Si­mões (1903-1987) e, mais re­cen­te­men­te, Eu­gé­nio Lis­boa, es­cre­ve­ram ar­ti­gos em que des­ta­ca­ram a ex­ce­len­te qua­li­da­de da po­e­sia de Lê­do Ivo. Gas­par Si­mões, in­clu­si­ve, che­gou a es­cre­ver que, se exis­tis­se uma Je­ru­sa­lém ce­les­tial à par­te des­ti­na­da aos po­e­tas, Lê­do Ivo se­ria um dos es­co­lhi­dos, o que, pra­ti­ca­men­te, foi di­to com ou­tras pa­la­vras por Faus­to Cu­nha, pa­ra quem o po­e­ta “se­rá um dos pou­cos que fi­ca­rão”. Por tu­do is­so, se­ria re­co­men­dá­vel que as ins­ti­tu­i­ções que po­dem fa­zê-lo co­me­ças­sem a pen­sar em apre­sen­tar o no­me de Lê­do Ivo à Aca­de­mia Su­e­ca. Afi­nal, es­tá na ho­ra de a Li­te­ra­tu­ra Bra­si­lei­ra tam­bém con­quis­tar o seu Prê­mio No­bel.


Fonte: Es­pe­ci­al pa­ra o suplemento Opção Cultural do semanário Jornal Opção, Goiânia

Artigo original
publicado em 22 de novembro de 2009

Tradução redigida em português do

Sobre o autor

Adelto Gonçalve é um autor associado a Tlaxcala, a rede de tradutores pela diversidade lingüística. Este artigo pode ser reproduzida livremente na condição de que sua integridade seja respeitada, bem como a menção ao autor e à fonte.

URL deste artigo em Tlaxcala:
http://www.tlaxcala.es/pp.asp?reference=9328&lg=po


TEMPESTADE CEREBRAL : 23/11/2009

 
 IMPRIMIR IMPRIMIR 

 ENVIAR ESTA PÁGINA ENVIAR ESTA PÁGINA

 
VOLVERVOLVER 

 tlaxcala@tlaxcala.es

HORA DE PARÍSI  0:30