HOME TLAXCALA
a rede de tradutores pela diversidade lingüística
MANIFESTO DE TLAXCALA  QUEM SOMOS ?  OS AMIGOS DE TLAXCALA   PESQUISAR 

AO SUL DA FRONTEIRA (América Latina e Caribe)
IMPÉRIO (Questões globais)
TERRA DE CANAà(Palestina, Israel, Líbano)
UMMA (Mundo árabe, Islã)
NO VENTRE DA BALEIA (Ativismo nas metrópoles imperialistas)
PAZ E GUERRA (USA, UE, OTAN)
MÃE AFRICA (Continente africano, Oceano índico)

ZONA DOS TUFÕES  (Ásia, Pacífico)
KOM K DE KALVELLIDO (Diário de um cartunista proletário)
TEMPESTADE CEREBRAL  (Cultura, Comunicação)
OS INCLASSIFICADOS 
CRÔNICAS TLAXCALTECAS 
O FICHÁRIO DE TLAXCALA  (Glossários, dicionários, fichários)
BIBLIOTECA DE AUTORES 
GALERIA 
OS ARQUIVOS DE TLAXCALA  

21/10/2017
Español Français English Deutsch Português Italiano Català
عربي Svenska فارسی Ελληνικά русски TAMAZIGHT OTHER LANGUAGES
 

Sou o Sahara-Resposta de uma “fanfarrona” a um ministro


AUTOR:  Salka EMBAREK

Traduzido por  Cristina Santos


A autora explica assim o seu poema: “(…) Não posso dizer que seja poesia. Isso queria eu! Apenas ganhei coragem com as palavras ofensivas do Ministro da Comunicação marroquino quando nos chamou “fanfarrões” e disse que os nossos avisos de que voltaríamos à guerra são “ameaças infantis”. Senti necessidade de deixar claro a ele, e a todos eles, que já uma vez fomos e avançámos, já perdemos muito, e já não nos restam muitas opções, por isso que não duvidem, podem apanhar um susto… Eu, pessoalmente, espero que não cheguemos a isso… já perdemos muitos irmãos.” (Salka Embarek, extracto de uma carta a um amigo)



Serei guerra

e quando for necessário, serei paz.

Serei a paz da guerra,

e o limite entre ambos

serei eu a marcá-lo.


Que não me voltem a chamar fanfarrona.

Que nenhum ministro

me volte a provocar,

porque durante os anos da minha tragédia,

já derrubei alguns muros

e consegui fazer cair algumas das suas falsas morais.


Não há governo usurpador,

nem cruel,

nem rei tão soberano,

que me possa olhar nos olhos

e negar que é culpado.

Não o poderá fazer porque não esqueceu

as vezes em que o enfrentei,

o desmascarei e ganhei.


Olha bem para mim,

porque o leme está nas minhas mãos,

e o vento sopra a meu favor.

Não serei eu a que tem medo,

não serei eu a derrotada,

nem ouvirás as minhas palavras em vão.


Já sou velha,

passaram trinta e quatro anos,

a pisar o meu corpo,

enterrado debaixo de metros de terra.

Mais de trinta anos deixaram

sabores amargos na minha boca,

alguns já não os sinto,

outros transformaram-se em braços

de líderes desconhecidos,

de mulheres com esperança;

braços de mártires que voltam

estendidos à superfície,

respondendo à minha chamada,

a desta velha que sou eu,

e que agora volta jovem,

e renovada.


Que não me chamem fanfarrona,

porque os meus filhos respondem,

que a minha voz não é apenas uma:

sou o Sahara.


OUVE BEM O MEU NOME.




Fonte: Soy el Sáhara-Respuesta de una "fanfarrona" a un ministro

Artigo original publicado a10 de Novembro de 2009

Este artigo é para português de


Sobre o autor

Salka Embarek é uma autora associada a Tlaxcala, Cristina Santos é colaboradora de Tlaxcala, a rede internacional de tradutores pela diversidade lingüística. Esta tradução pode ser reproduzida livremente na condição de que sua integridade seja respeitada, bem como a menção ao autor, aos tradutores, aos revisores e à fonte.

URL deste artigo em Tlaxcala:
http://www.tlaxcala.es/pp.asp?reference=9604&lg=po


MÃE AFRICA: 26/12/2009

 
 IMPRIMIR IMPRIMIR 

 ENVIAR ESTA PÁGINA ENVIAR ESTA PÁGINA

 
VOLVERVOLVER 

 tlaxcala@tlaxcala.es

HORA DE PARÍSI  8:53