HOME TLAXCALA
a rede de tradutores pela diversidade lingüística
MANIFESTO DE TLAXCALA  QUEM SOMOS ?  OS AMIGOS DE TLAXCALA   PESQUISAR 

AO SUL DA FRONTEIRA (América Latina e Caribe)
IMPÉRIO (Questões globais)
TERRA DE CANAà(Palestina, Israel, Líbano)
UMMA (Mundo árabe, Islã)
NO VENTRE DA BALEIA (Ativismo nas metrópoles imperialistas)
PAZ E GUERRA (USA, UE, OTAN)
MÃE AFRICA (Continente africano, Oceano índico)

ZONA DOS TUFÕES  (Ásia, Pacífico)
KOM K DE KALVELLIDO (Diário de um cartunista proletário)
TEMPESTADE CEREBRAL  (Cultura, Comunicação)
OS INCLASSIFICADOS 
CRÔNICAS TLAXCALTECAS 
O FICHÁRIO DE TLAXCALA  (Glossários, dicionários, fichários)
BIBLIOTECA DE AUTORES 
GALERIA 
OS ARQUIVOS DE TLAXCALA  

18/10/2017
Español Français English Deutsch Português Italiano Català
عربي Svenska فارسی Ελληνικά русски TAMAZIGHT OTHER LANGUAGES
 

Fonte: Es­pe­ci­al pa­ra o Jor­nal Op­ção de Goiânia

Artigo original publicado em 11 de abril de 2010

Tradução redigida em português do

Sobre o autor

Adelto Gonçalves é um autor associado a Tlaxcala, a rede internacional de tradutores pela diversidade lingüística. Este artigo pode ser reproduzido livremente na condição de que sua integridade seja respeitada, bem como a menção ao autor e à fonte.

URL deste artigo em Tlaxcala:
http://www.tlaxcala.es/pp.asp?reference=10347&lg=po



Para escapar dos escombros e reconstruir a lusofonia: “Ma­de in An­go­la: Ar­te Con­tem­po­râ­nea, Ar­tis­tas e De­ba­tes”


AUTOR:  Adelto GONÇALVES


Em "Made in Angola", Adriano Mixinge oferece importante contribuição à História e à crítica da arte moderna e contemporânea que se vem fazendo em Angola, mostrando como ela se insere no contexto africano e internacional.

“Ma­de in An­go­la: Ar­te Con­tem­po­râ­nea, Ar­tis­tas e De­ba­tes”, li­vro de en­sai­os do his­to­ri­a­dor e crí­ti­co de ar­te Adri­a­no Mi­xin­ge, pu­bli­ca­do em por­tu­guês por Edi­ções L'Har­mat­tan, de Pa­ris, sob o pa­tro­cí­nio da Fun­da­ção Prín­ci­pe Claus da Ho­lan­da, reú­ne 35 en­sai­os so­bre a ar­te afri­ca­na e a con­di­ção an­go­la­na, num vo­lu­me de 306 pá­gi­nas, com ca­pa de­se­nha­da pe­la ar­tis­ta Ro­sa Cu­bil­lo so­bre uma fo­to­gra­fia de Mid­dan Nan­dig­nan Cam­pal.

Nas­ci­do em Lu­an­da em 1968, Adri­a­no Mi­xin­ge, li­cen­cia­do em His­tó­ria da Ar­te pe­la Uni­ver­si­da­de de Ha­va­na e dou­tor em His­tó­ria da Ar­te pe­la Uni­ver­si­da­de Com­plu­ten­se de Ma­drid, tra­ba­lha co­mo con­se­lhei­ro cul­tu­ral na Em­bai­xa­da de An­go­la em Pa­ris. É igual­men­te mem­bro da As­so­cia­ção In­ter­na­ci­o­nal dos Crí­ti­cos de Ar­te (Ai­ca), do Con­se­lho Ci­en­tí­fi­co do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra e co­la­bo­ra­dor da de­le­ga­ção de An­go­la jun­to à Unes­co, além de au­tor do ro­man­ce “Tan­da” (Lu­an­da: Edi­ções de Ca­xin­de, 2006), em que mis­tu­ra po­e­sia, crí­ti­ca li­te­rá­ria e de ar­tes plás­ti­cas, car­tas e ou­tras for­mas de dis­cur­so, se­guin­do uma ten­dên­cia da pro­sa afri­ca­na de lín­gua por­tu­gue­sa de ho­je, que é a di­lu­i­ção das fron­tei­ras en­tre os gê­ne­ros nar­ra­ti­vos.

Co­mo crí­ti­co de ar­tes plás­ti­cas, Mi­xin­ge é ain­da au­tor de “Me­tá­fo­ras An­go­la­nas: Um Pa­no­ra­ma das Ar­tes Plás­ti­cas (1990-2001)”, li­vre­to de 81 pá­gi­nas pu­bli­ca­do em 2001 pe­la Em­bai­xa­da da Re­pú­bli­ca de An­go­la na Fran­ça pa­ra apre­sen­tar uma ex­po­si­ção que o pró­prio au­tor or­ga­ni­zou em Pa­ris, re­u­nin­do a pro­du­ção de pin­to­res, es­cul­to­res e gra­va­do­res.

Em “Ma­de in An­go­la”, Mi­xin­ge ofe­re­ce im­por­tan­te con­tri­bui­ção à His­tó­ria e à crí­ti­ca da ar­te mo­der­na e con­tem­po­râ­nea que se vem fa­zen­do em An­go­la, mos­tran­do co­mo ela se in­se­re no con­tex­to afri­ca­no e in­ter­na­ci­o­nal. Além dis­so, tra­ta-se de obra de di­vul­ga­ção de uma pro­du­ção ar­tís­ti­ca mo­der­na ain­da pou­co es­tu­da­da e de ar­tis­tas plás­ti­cos que, mui­tas ve­zes, são mais (re)co­nhe­ci­dos no res­tri­to cír­cu­lo eu­ro­peu das ar­tes do que no Bra­sil, pois reú­ne al­guns tex­tos que o au­tor es­cre­veu ori­gi­nal­men­te pa­ra ca­tá­lo­gos de ex­po­si­ções e ou­tros pu­bli­ca­dos em re­vis­tas ou jor­nais ou ain­da pa­ra se­rem apre­sen­ta­dos em se­mi­ná­rios.

Em to­dos, o que mar­ca es­ses tex­tos é a pos­tu­ra in­de­pen­den­te com que Mi­xin­ge de­nun­cia e dis­cu­te, sem ter­gi­ver­sar, pro­ble­mas que pre­o­cu­pam não só os cri­a­do­res an­go­la­nos co­mo os seus ci­da­dã­os e aque­les que acom­pa­nham a evo­lu­ção dos acon­te­ci­men­tos no mun­do afri­ca­no de lín­gua por­tu­gue­sa.

Em­bo­ra o au­tor não fa­ça re­fe­rên­cia, não se po­de dei­xar de es­ta­be­le­cer pon­tes en­tre o tí­tu­lo “Ma­de in An­go­la” com o clás­si­co “Ma­de in Áfri­ca”, de Lu­ís da Câ­ma­ra Cas­cu­do (1898-1986), em que o his­to­ri­a­dor, fol­clo­ris­ta e an­tro­pó­lo­go bra­si­lei­ro, de­pois de ob­ser­va­ções que fez du­ran­te vi­a­gem re­a­li­za­da em 1965, ano­tou há­bi­tos, cren­ças e re­mi­nis­cên­cias his­tó­ri­cas do con­ti­nen­te afri­ca­no pa­ra com­pro­var as raí­zes ne­gras da cul­tu­ra bra­si­lei­ra.

Se “Ma­de in Áfri­ca” já foi de­fi­ni­do pe­la his­to­ri­a­do­ra Ca­mi­la Lem­bo Ri­bei­ro co­mo o li­vro da des­co­ber­ta (pe­lo bra­si­lei­ro) da Áfri­ca ne­gra por­tu­gue­sa, “Ma­de in An­go­la” é uma obra que per­mi­te a des­co­ber­ta da ar­te an­go­la­na pe­los de­mais po­vos lu­só­fo­nos. Pa­ra is­so, por­tan­to, é pre­ci­so que al­gu­ma edi­to­ra bra­si­lei­ra ve­nha a se in­te­res­sar por sua pu­bli­ca­ção.

Afi­nal, se em “Ma­de in Áfri­ca” Cas­cu­do es­tu­da e apro­fun­da pon­tos de li­ga­ção en­tre o Bra­sil, em es­pe­ci­al o Nor­des­te, e o con­ti­nen­te afri­ca­no, es­pe­ci­al­men­te a sua par­te oci­den­tal, em “Ma­de in An­go­la” Mi­xin­ge o que faz é mos­trar, a par­tir das idei­as de tran­scul­tu­ra­ção do an­tro­pó­lo­go cu­ba­no Fer­nan­do Or­tiz (1881-1969), que a ex­pe­ri­ên­cia cul­tu­ral an­go­la­na é re­sul­ta­do de um sub­stra­to cul­tu­ral ma­jo­ri­ta­ria­men­te de ori­gem ban­tu, um mi­no­ri­tá­rio não ban­tu e de uma he­ran­ça ju­deu-cris­tã por­tu­gue­sa, que, por for­ça da imi­gra­ção for­ça­da de le­vas de tra­ba­lha­do­res es­cra­vos, re­pe­tiu-se no Bra­sil em lar­ga es­ca­la.

Diz Mi­xin­ge que, no con­tex­to da ar­te con­tem­po­râ­nea an­go­la­na, es­sas ex­pe­ri­ên­cias cul­tu­ra­is po­dem es­tar re­pre­sen­ta­das, por exem­plo, nas obras de Mi­guel Pet­chosky, mes­ti­ço an­go­la­no de mãe cokwê e de pai rus­so, vi­ven­do em Am­ster­dã; Franck Lun­dan­gi, bakon­go que mo­ra nos ar­re­do­res de Pa­ris, com uma obra plás­ti­ca que evo­ca as ico­no­gra­fi­as da épo­ca me­di­e­val eu­ro­peia; An­to­nio Ole, que, vi­ven­do em Lu­an­da, ofe­re­ce uma obra de es­té­ti­ca pós-mo­der­na, que di­a­lo­ga com as di­ver­sas tra­di­ções ban­tu an­go­la­nas; Jo­ão Mu­a­baka (Mayem­be), que vem di­re­ta­men­te do ar­te­sa­na­to e da es­ta­tuá­ria tra­di­cio­nal an­go­la­na; “e tam­bém par­te da obra de Nás­tio Mos­qui­to, que con­sis­te nu­ma sé­rie de ví­de­os, em que ele faz re­fle­xões acer­ca da iden­ti­da­de in­di­vi­dual e das re­mi­nis­cên­cias do exo­tis­mo”.

Mas, a ri­gor, es­sas in­flu­ên­cias po­dem ser sen­ti­das nos de­mais ar­tis­tas que fo­ram ob­je­to da aná­li­se do crí­ti­co, co­mo Vi­teix, Au­gus­to Fer­rei­ra, Jor­ge Gum­be, Fre­de­ri­co Nin­gi, Eleu­té­rio San­ches, Afon­so Mas­son­gui, Gon­ga, Van Ki­dá, Fer­nan­do Al­vim, Tel­mo Vaz Pe­rei­ra. Kis­san­ga, Do­min­gos Bar­cas, Ál­va­ro Ma­ci­ei­ra, Hen­ri­que Abran­ches, Cos­ta An­dra­de e Ed­gar­do Xa­vi­er, en­tre ou­tros. To­dos es­tão uni­dos pe­la “an­go­la­ni­da­de”, con­cei­to que re­fle­te uma iden­ti­da­de cul­tu­ral que se faz tam­bém de ou­tras he­ran­ças, em ra­zão da di­ás­po­ra à que boa par­te da po­pu­la­ção do pa­ís te­ve de se en­tre­gar por cau­sa do dra­ma da guer­ra ci­vil (1976-1991).

Mi­xin­ge, po­rém, não é só his­to­ri­a­dor e crí­ti­co de ar­tes plás­ti­cas, mas es­tu­di­o­so da no­va li­te­ra­tu­ra an­go­la­na pós-1974, ano que mar­ca o fim da lu­ta do po­vo an­go­la­no pe­la sua in­de­pen­dên­cia de­pois de mais de cin­co sé­cu­los de do­mí­nio co­lo­ni­al e a for­ma­ção de um go­ver­no de co­li­ga­ção na­ci­o­nal que pou­co du­rou.

A exem­plo do que o crí­ti­co uru­gu­aio Án­gel Ra­ma (1926-1983) fez em “Tran­scul­tu­ra­ci­ón Nar­ra­ti­va en Amé­ri­ca La­ti­na” (Mé­xi­co: Si­glo Ve­in­ti­u­no Edi­to­res, 1982), igual­men­te a par­tir das ob­ser­va­ções de Fer­nan­do Or­tiz, Mi­xin­ge lem­bra que a no­va nar­ra­ti­va an­go­la­na — e o exem­plo ser­ve pa­ra as de­mais na­ções afri­ca­nas — é her­dei­ra tan­to do pa­tri­mô­nio das lín­guas e cul­tu­ras afri­ca­nas lo­ca­is, co­mo a ban­tu, co­mo do ima­gi­ná­rio oci­den­tal que, por sé­cu­los, en­tre­cru­za­ram-se. Co­mo Lu­ís Kandjim­bo, gran­de en­sa­ís­ta e crí­ti­co li­te­rá­rio an­go­la­no, com uma for­ma­ção hu­ma­nís­ti­ca aber­ta à in­ter­dis­ci­pli­na­ri­da­de, Mi­xin­ge re­ve­la-se tam­bém um gran­de in­ves­ti­ga­dor da his­tó­ria li­te­rá­ria an­go­la­na.

Ro­man­cis­ta, Mi­xin­ge mos­tra-se igual­men­te me­mo­ri­a­lis­ta dos bons, co­mo dei­xa en­tre­ver no en­saio “Ar­te e guer­ra”, ao re­cor­dar um dia de fi­nais de 1974 em que, mo­ra­dor na Rua 22 do Ran­gel, bair­ro po­bre si­tu­a­do na pe­ri­fe­ria de Lu­an­da, dei­xou de ir ao Co­lé­gio Nos­sa Se­nho­ra da Paz por­que sol­da­dos dos di­ver­sos mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal (MPLA, Uni­ta e FNLA) en­tra­ram na ci­da­de e hou­ve com­ba­tes por to­das as par­tes. E viu da va­ran­da de sua ca­sa D.C., uma cri­an­ça do bair­ro, ser es­co­lhi­do pa­ra aju­dar a içar a ban­dei­ra da en­tão no­va Re­pú­bli­ca. Mais de três dé­ca­das de­pois, Mi­xin­ge, fi­lho de “as­si­mi­la­dos” — ou se­ja, afri­ca­nos que vi­vi­am sob a ór­bi­ta dos co­lo­ni­za­do­res —, lem­bra que, ho­je, D.C. vi­ve de­si­lu­di­do, na mar­gi­na­li­da­de e afas­ta­do de qual­quer ti­po de re­tó­ri­ca ou sim­bo­lo­gia da li­ber­da­de, in­clu­in­do a do so­ci­a­lis­mo e da de­mo­cra­cia, e que a úni­ca li­ber­da­de a que as­pi­ra é a dos es­tu­pe­fa­cien­tes. Ou se­ja, a so­ci­e­da­de fez pou­co (ou na­da) por D.C. e por “um exér­ci­to de anô­ni­mos (que) vi­ve ain­da em con­di­ções si­mi­la­res ou pi­o­res”.

Es­se epi­só­dio fez re­cor­dar a es­te ar­ti­cu­lis­ta ou­tros dois ocor­ri­dos há qua­se meio sé­cu­lo, quan­do, ain­da co­le­gial de uma es­co­la man­ti­da por um sin­di­ca­to dos ope­rá­rios por­tu­á­rios de San­tos, foi es­co­lhi­do pa­ra cum­pri­men­tar um vi­si­tan­te, o en­tão pre­si­den­te Jo­ão Gou­lart (1918-1976), e a lem­bran­ça que lhe fi­cou foi o de um aper­to da­do por mão ex­ces­si­va­men­te su­a­ren­ta, mas ca­lo­ro­sa. E de quan­do viu da ja­ne­la de sua mo­ra­da a to­ma­da da­que­le mes­mo sin­di­ca­to dos por­tu­á­rios por tro­pas do exér­ci­to no dia 1º de abril de 1964.

Ha­via àque­la épo­ca a in­gê­nua cren­ça de que os tra­ba­lha­do­res po­de­ri­am as­cen­der ao po­der nu­ma pre­ten­sa re­pú­bli­ca sin­di­ca­lis­ta — que, cer­ta­men­te, não te­ria si­do pi­or nem me­lhor do que aque­la em que vi­ve­mos ho­je —, mas que ser­viu, na­que­le con­tex­to de guer­ra fria, co­mo pre­tex­to pa­ra que li­ber­da­des fos­sem su­fo­ca­das e mui­tas ini­qui­da­des co­me­ti­das, ape­sar do es­for­ço atu­al de al­guns an­ti­gos co­la­bo­ra­ci­o­nis­tas em apa­gar a me­mó­ria, ao pro­cu­rar qua­li­fi­car de bran­da a di­ta­du­ra mi­li­tar (1964-1985) que ad­veio.

Es­tes re­ta­lhos da me­mó­ria são aqui re­cons­ti­tu­í­dos por­que, de al­gum mo­do, ser­vem pa­ra mos­trar que a lu­ta da me­mó­ria con­tra o es­que­ci­men­to, de que di­zia Mi­lan Kun­de­ra (1929), pas­sa pe­la ins­tru­ção. E que, co­mo dis­se Na­guib Mahfuz (1911-2006), ci­ta­do por Mi­xin­ge, “a mor­te co­me­ça pe­la me­mó­ria, e a mor­te da me­mó­ria é a pi­or de to­das”.

Foi pe­la ins­tru­ção que es­te ar­ti­cu­lis­ta dei­xou um bair­ro tão de­gra­da­do co­mo o Ran­gel pa­ra che­gar até aqui e es­cre­ver es­tas li­nhas, as­sim co­mo Mi­xin­ge dei­xou a pe­ri­fe­ria de Lu­an­da pa­ra res­ga­tar a his­tó­ria da li­te­ra­tu­ra e das ar­tes plás­ti­cas de seu po­vo. Afi­nal, sem a ins­tru­ção não ha­ve­ria se­quer quem es­cre­ves­se os Evan­ge­lhos e o cris­tia­nis­mo não te­ria che­ga­do aos nos­sos di­as.

MADE IN ANGOLA
Arte contemporânea,artistas e debates
LIVRE EN PORTUGAIS
Adriano Mixinge

"Made in Angola: arte contemporânea, artistas e debates" é um livro que pretende ser uma contribuicao à Historia e à Critica da Arte moderna e contemporânea que se vem fazendo em Angola, mostrando como ela se insere no contexto africano e internacional. Autor aborda uma serie de problemas que preocupam aos criadores angolanos, no seu empenho em ter um lugar de destaque na geopolitica da Arte contemporanea african e internacional.

Consulter un extrait de cet ouvrage

ISBN : 978-2-296-08886-3 • avril 2009 • 308 pages
version numérique (pdf texte) : Commander la version numérique (-10%) 3 260 Ko

Prix éditeur : 29,5 € / 194 FF
Commander la version numérique (ebook)
Commander la version papier

MÃE AFRICA: 20/04/2010

 
 IMPRIMIR IMPRIMIR 

 ENVIAR ESTA PÁGINA ENVIAR ESTA PÁGINA

 
VOLVERVOLVER 

 tlaxcala@tlaxcala.es

HORA DE PARÍSI  17:6